60! Década de Arromba – Documentário Musical

60! Década de Arromba – Documentário Musical

Clique para conferir as principais publicações sobre o espetáculo

Um espetáculo vibrante, não-biográfico, sem dramaturgia clássica e tampouco personagens, capaz de levar o público a uma viagem no tempo por uma década de arromba. Quando a desconstrução de tudo que já se assistiu nos palcos do teatro é, na verdade, sua obra-prima, nasce um gênero inédito: o Documentário Musical.

“60! Década de Arromba – Doc. Musical” abraça Wanderléa – um dos maiores ícones brasileiros do período – como sua grande musa e faz memória de fatos que marcaram cada um dos anos entre 1960 e 1969. O resultado foi aplaudido de pé por mais de 37 mil pessoas que lotaram todas as sessões da temporada de estreia no Rio de Janeiro – e levaram a sua prorrogação. Dia 10 de abril, a montagem original assinada por Frederico Reder e Marcos Nauer chega ao Theatro NET São Paulo (com os ingressos da primeira sessão de pré-estreia esgotados deste o início de março) para mais uma série de apresentações.

O espetáculo divide sua narrativa em dois atos. Enquanto o primeiro, correspondente aos anos de 1960 a 1965, trata de um período com sabor de inocência, lirismo e ainda arraigado nos preconceitos dos anos 50, o segundo (1966-1969) apresenta a revolução sexual, os protestos dos jovens inconformados com a política e seus embates por meio das artes, da música e do amor.

Ao longo da apresentação, números musicais e circenses, mágicas, coreografias e projeções autênticas do período retratado preenchem o palco com a vida real em seus grandes acontecimentos: quedas e ascensões presidenciais; casamentos de personalidades como Celly Campello e Elvis Presley; grandes guerras e a Nova Ditadura no Brasil; lançamentos de produtos de grandes marcas, como o Nescau, a primeira Barbie negra e boneco Ken; falecimento de nomes como John F. Keneddy, Edith Piaf, Maysa, Ary Barroso e Marilyn Monroe; as primeiras idas humanas ao Espaço; consagração dos músicos Bibi Ferreira, Emilinha Borba, Cauby Peixoto, a banda Beatles e outros; a chegada do Surf Music e do Twist ao Brasil; dentre inúmeros outros fatos histórico-culturais apresentados à plateia, que em 180 minutos relembra, conhece, se identifica e se apaixona pela época.